01 dezembro 2009

Versos Íntimos

Hoje, a poesia de Augusto dos Anjos



Vês! Ninguém assistiu ao formidável
Enterro de tua última quimera.
Somente a Ingratidão - esta pantera
Foi tua companheira inseparável!
Acostuma-te à lama que te espera!
O Homem, que, nesta terra miserável,
Inevitável Mora, entre feras, sente
Necessidade de também ser fera.
Toma um fósforo. Acende teu cigarro!
O beijo, amigo, é a véspera do escarro,
A mão que afaga é a mesma que apedreja.
Se a alguém causa inda pena a tua chaga,
Apedreja essa mão vil que te afaga,
Escarra nessa boca que te beija!


As imagens, textos e poemas deste post., Estão hospedados na própria Internet. Caso alguém sinta-se lesado pela não citação da autoria, basta fazer contato que daremos os créditos ou tiramos uma postagem do ar. Desde já, Agradecemos a compreensão e colaboração de todos. Obrigada.

4 comentários:

Anônimo disse...

Oi,
Jô,
Não conhecia esse poema. Choquei!!!]
bjos
Sil

soninha. disse...

Augusto dos Anjos sempre autêntico e inigualável!bjs

Sissym disse...

Muito bom ler Augusto dos Anjos!

Anônimo disse...

Caramba! Que força!. Ainda assim, prefiro acreditar, noa seres humanos. É tudo uma questão de momentos....

eu

Postar um comentário