07 novembro 2009

Homenagem do dia!!


Cecília Meireles nasceu no Rio, em 7 de novembro de 1901, mesma cidade em que morreu, a 9 de novembro de 1964. A menina foi criada pela avó materna, Jacinta Garcia Benevides.

A paixão pelos livros e a leitura norteia o caminho da jovem Cecília. Aos 16 anos, ela se diploma professora. A vontade e o fascínio pelo "saber" a conduzem, então, para o estudo de outros idiomas e para o Conservatório Nacional de Música, onde tem aulas de canto e violino. Ainda que "fizesse versos" e compusesse cantigas para os seus brinquedos desde a escola primária, é na adolescência que Cecília Meireles começa a "escrever poesias", segundo sua própria definição. Em 1919, aos 18 anos, ela publica seu primeiro livro de poemas: ESPECTROS, iniciando um período de grande produção.

“Minha infância de menina sozinha deu-me duas coisas que parecem negativas, e foram sempre positivas para mim: silêncio e solidão. Essa foi sempre a área de minha vida. Área mágica, onde os caleidoscópios inventaram fabulosos mundos geométricos, onde os relógios revelaram o segredo do seu mecanismo, e as bonecas o jogo do seu olhar. Mais tarde, foi nessa área que os livros se abriram e deixaram sair suas realidades e seus sonhos, em combinação tão harmoniosa que até hoje não compreendo como se possa estabelecer uma separação entre esses dois tempos de vida, unidos como os fios de um pano.”
Cecíclia Meireles


________________________________________



Ary de Resende Barroso, nasceu em Ubá, Minas Gerais em 7 de novembro de 1903, morreu no Rio de Janeiro, 9 de fevereiro de 1964. Foi um compositor brasileiro de música popular.

Autor de centenas de composições em estilos variados, como choro, xote, marcha, foxtrote e samba. Entre outras canções, compôs Tabuleiro da baiana (1937) e Os Quindins de Yayá (1941), Boneca de piche, etc.

Durante os a década de 1940 e a década de 1950 compôs vários dos sucessos consagrados por Carmen Miranda no cinema. Ao compor Aquarela do Brasil inaugurou o gênero samba-exaltação. Além de compositor e músico Ary Barroso também era locutor esportivo e torcedor confesso do Flamengo,





Fonte: wikipedia.com.br

As imagens, textos e poemas deste post., estão hospedados na própria Internet. Caso alguém sinta- se lesado pela não citação da autoria, basta fazer contato que daremos os créditos ou tiramos a postagem do ar. Desde já, agradecemos à compreensão e colaboração de todos. Obrigada.

3 comentários:

Anônimo disse...

Justíssimas homenagens! Ao Ary Barroso, porque era um verdadeiro "Baianeiro", metade baiano, metade mineiro, e assim como Vinicius de Moraes, Dorival Caymme,Adotou, Cantou, Encantou, e Divulgou, a Bahia, como, poucos baianos "natos", o fizeram. Isso é a verdadeira "Aquarela". Parabéns!
E quanto a Cecília de Meireles, pela excelente escritora que é. Os seus Romances, Poemas, Crônicas, e tudos mais que escreve, são lindos! posso citatar, "Canteiros", musicada por Fagner, e que me trás, maravilhosas recordações. Hoje voce acertou em dose dupla. Portanto; Parabéns! Parabéns!

eu

Silvana Nunes .'. disse...

Navegando sem ruma com a intenção de divulgar o meu blog, cheguei até você e gostei do que vi, tanto que pretendo voltar mais vezes. No momento estou impedida de fazer leituras muito extensas, pois a claridade da tela do computador está prejudicando um pouco a minha visão, devo tomar cuidado. Em breve resolverei esse problema. Bem, já que estou aqui aproveito para convidar a conhecer FOI DESSE JEITO QUE EU OUVI DIZER... em http://www.silnunesprof.blogspot.com
Eu como professora e pesquisadora acredito num mundo melhor através do exercício da leitura e enauqnto eu existir, vou lutar para que os meus ideiais não se percam.
Se gostar da minha proposta, siga-me.
Por hoje fico por aqui, Espero nos tornarmos bons amigos.
Que a PAZ e o BEM te acompanhem sempre.
Saudações Florestais !

Anônimo disse...

Oi! Gostaria de acrescentar, um detalhe, no comentário, a respeito de Cecília de Meireles. Tenho algo em comum, com ela. Nos meus momentos, a "solidão" e o "silencio", são meus melhores, companheiros, rola sempre um diálogo, muito reflexivo, entre, eles (o silencio, a solidão, e o meu "eu"), e issoas vezes, é muito bom, e necessário. bjão

eu

Postar um comentário